Arquivo do mês: maio 2014

Libertarianismo e Guerra: A diferença entre o mercado e o estado em relação aos conflitos globais.

 *Por João Paulo Ramalho

Nas discussões entre liberais e conservadores, é comum, em relação ao segundo grupo, indagações a respeito das posições de uma sociedade libertária em meio a guerra. “E se empresas se juntarem e decidirem criar seus próprios feudos dominando as propriedades alheias através de exército privado”? “E se um estado não libertário decide ‘dominar’ uma sociedade libertária”? “E se os donos das agências de segurança privadas mais fortes e ricas decidem que querem tomar uma parte de outras empresas”? Esses são argumentos pertinentes em relação à problemas práticos que podemos encontrar dentro do libertarianismo, e é sempre importante que, além da teoria, sejam discutidos os contextos práticos de cada possível realidade. Em relação aos questionamentos, algumas coisas precisam ser definidas. Sim, essas são situações plausíveis dentro desse contexto, quais respostas daríamos a elas?

Primeiro, é importante salientar que esses exemplos dados podem ser utilizados em qualquer contexto geopolítico. E se os 3 estados democráticos mais ricos e bem armados decidissem conquistar um território? Soa familiar, não? Esse tipo de fato é inevitável, e já aconteceu diversas vezes na história da humanidade. A possibilidade de uma guerra nunca deixará de existir em qualquer que seja a organização social no mundo, mas, uma das diferenças básicas entre as duas possíveis realidades é que podemos argumentar que numa sociedade libertária, será muito menor a possibilidade de que uma aconteça, e que dure. É importante destacar que a renda das agências de segurança privadas(ideia de empresa defendida pela maioria dos libertários como alternativa ao modelo estatal de polícia) seria conquistada através de sua eficiência. Qualquer ato duvidoso já representa uma perda de lucro, pois toda a riqueza dela está à mercê dos desejos dos consumidores, enquanto num estado a riqueza vem através da coerção, através da expropriação indevida. Para que uma agência de segurança cresça, ela, pelo menos inicialmente, deve apresentar um serviço justo e eficaz, pois é assim que se dá o crescimento das empresas num contexto de puro livre mercado. Todo o seu crescimento estará à mercê do desejo dos consumidores, e então eles teriam duas opções, moldar-se à esses desejos ou falirem. Guerras não seriam lucrativas para agências de segurança, considerando que, dentro da sociedade, não há uma demanda por guerra da parte dos consumidores em geral, mas há quem acredite que para os estados essas possam ser sim lucrativas.

Notamos que hoje em dia, no nosso contexto mundial de estados nacionais, as guerras vêm sempre de desejos e ações dos estados, defendendo interesses próprios, que nunca refletem realmente os desejos do seu povo(ideia sempre levantada pelo senador republicano libertário Ron Paul, em questionamentos a respeito dos motivos que levam o estado americano a entrar em guerras com frequência). Como defendido pelo ilustríssimo professor Ubiratan Jorge Iorio, falando sobre a ideia de política externa que o senador libertário americano defende: “No plano da política externa, por exemplo, seus detratores o acusam de pacifismo, de um pacifismo que seria descabido diante das ameaças terroristas que apavoram o ocidente. A resposta é simples: há quantos anos os Estados Unidos vêm se metendo em guerras e mais guerras, que nada mais têm feito do que aumentar o ódio contra o país e fomentar as ações de extremistas terroristas? Quantas famílias americanas choram seus filhos mortos em combates em países remotos, a troco de nada, a não ser popularidade para políticos oportunistas? É uma questão essencialmente prática e ética, pois o povo americano está farto de guerras imorais lançadas deliberadamente sob falsos pretextos”.

Além disso tudo, imaginemos a influência das outras indústrias nesse cenário geopolítico. A partir da guerra, podemos supor que apenas um reduzido número de indústrias poderia lucrar com ela, como, por exemplo, a indústria do armamento. Porém, o desejo desta não sobrepõe as demandas de todo mercado. Guerras dão prejuízos. Pessoas não comem sanduíches da mcdonalds em guerras, não bebem coca-cola, não compram roupas, nem consomem muito, no geral, num período de guerra. Seria comum um esforço coletivo para evitá-las, afinal, o mercado, quase que por completo, não tem benefícios a partir dela. Um exemplo claro disso é o que ocorre atualmente no conflito Israel-Palestina. Na contramão dos atos estatais, os empresários locais desejam justamente a paz, visando uma harmonia que permita que o mercado se desenvolva com mais liberdade e que haja mais lucro. (http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/02/140217_campanha_empresarios_israelenses_gf_lgb.shtml)

Grupo, denominado BTI (‘Rompendo o Impasse’), distribuiu cartazes por cidades
Exemplos como esse mostram a diferença da abordagem do estado e do mercado numa situação de guerra. O mercado sempre busca maneiras eficientes, que, com certeza, seriam muito mais eficientes do que as existentes hoje em dia nos estados “democráticos”. Guerras dão prejuízo para quase todo mundo. Dentro de um mundo em que o bom e livre funcionamento do mercado é condição primária para o crescimento e felicidade de todos, é praticamente impossível acreditar que o desejo de guerra da indústria de armamentos consiga se sobrepor a tudo isso. Os boicotes viriam de todos os lados e de todas as indústrias que não quisessem ser prejudicadas. Infelizmente, num contexto de sociedades com estados nacionais, esse tipo de coisa se torna muito mais difícil.

Dentro de nossa suposta sociedade anarcocapitalista, é nesse momento que devemos esquecer um pouco o lado “anarco” e focar na parte “capitalista”. Acreditamos que o melhor para a humanidade seja a economia de mercado. Citando Mises: “O sistema em que a cooperação dos indivíduos na divisão social do trabalho se dá pelo mercado”. Algo que acredito que libertários e conservadores ao menos concordem que seja mais eficiente. Não nego que todos esses problemas citados anteriormente possam existir, e eles existiriam, como antes, em qualquer contexto. Só discordaríamos a respeito de sua solução e a respeito de qual arranjo social seria mais eficiente em evitá-los e impedí-los. Conservadores falam de defesa de propriedade através do estado e nós de seguro e proteção privada através de agências de segurança. Eles acreditam que, para evitar esse tipo de coisa, um estado nacional é necessário, nós acreditamos que tudo isso pode ser melhor evitado pelo arranjo do mercado, que sempre focaria na eficiência e acharia soluções mais criativas e mutuamente benéficas em qualquer caso. O mercado inova, cria, aperfeiçoa tudo que existe nas relações entre os seres humanos, exemplos disso não faltam todos os dias. Os problemas sempre existirão, porém, o mercado apresenta soluções mais eficientes e pacíficas, pois, ele atende às demandas com mais eficácia. Num arranjo social que se dá somente pela economia de mercado, sabemos que tudo nem sempre poderá ser perfeito, mas com certeza as soluções serão mais auspiciosas aos indivíduos em geral do que num sistema estatal. Isso tudo somente no contexto utilitarista e pragmático da discussão, não seria necessário no momento nem mesmo entrar no contexto moral em relação a existência ou não de um estado interventor.

É até absurdo dizer, numa discussão, que hoje eu poderia “propor respostas de um sistema de mercado”, até porque isso está além da minha capacidade, só posso especular, já que o mercado criaria soluções, na maioria das vezes, além das que eu e você poderíamos imaginar. Mas mesmo assim, só no campo hipotético, as nossas cabeças simples e individuais poderiam pensar em soluções melhores do que as do estado. É estranho como alguns conservadores, indivíduos que de alguma maneira, mesmo reduzida, acreditam na eficiência do mercado, consigam aplicar essa ideia somente em alguns poucos setores da sociedade. Imagine só o mercado correndo livremente. Acho que nos surpreenderíamos bastante com os rumos que nossa sociedade poderia tomar, como já é costume ao vermos as inovações e aperfeiçoamentos criados por indivíduos livres no dia a dia. Não seria tolice imaginar, em alguns anos milhares de pequenas Liechsteins e Hong Kongs melhoradas espalhadas por aí. Não há limites para o que a livre iniciativa pode desenvolver a partir da genialidade do ser humano.

Utilização dos drones pelo setor privado: entregas em cinco minutos num raio de 1 quilômetro da padaria pela padaria Pão To Go.
Utilização dos Drones pelo estado: O senador republicano Lindsey Graham disse que até 2013, 4700 pessoas morreram na sequência de ataques dos Estados Unidos com aviões não tripulados, na primeira referência de um legislador norte-americano ao número de vítimas de operações com drones.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos - Não Quebre a Janela, Uncategorized

Chamada aos estudantes da UFAL

Nós, membros do Não Quebre a Janela, lançaremos uma Carta Aberta ao Reitor reafirmando nossa defesa de que a PM no Campus é a medida mais correta no curto prazo, na situação emergencial ao qual se encontra nossa universidade, mas cobrando que a reitoria tome medidas e planeje o que fazer no médio e longo prazo. Convidamos que cada um deixe aqui sua opinião e sugestão do que deveria ser feito para melhorar a situação da nossa universidade no quesito da segurança.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Carta Aberta aos Estudantes da UFAL

O Grupo “Não Quebre a Janela” vem a público afirmar sua opinião favorável a presença da PM no Campus como medida emergencial. Acreditamos que é uma medida de bom senso no curto prazo diante da situação emergencial por qual passa a nossa universidade no presente momento. Vários casos de assaltos, estupros, assassinatos e apreensão de drogas dentro do Campus atormentam a vida dos estudantes e funcionários da UFAL.

Acreditamos que a UFAL deve permanecer aberta para toda a sociedade, visto que em sua estrutura ocorrem diversos projetos de encontro entre a universidade e a sociedade. Mas, para que isso ocorra precisamos cuidar da segurança daqueles que usam e precisam da Universidade, ou seja, questões que levam tempo,dependem de planejamento e visão de longo prazo, precisamos de um projeto mais amplo de urbanização em parceria com a Prefeitura para que todo o Bairro Cidade Universitária seja beneficiada. Iluminação, rua asfaltada e postos comunitários da polícia.

Por mais que a PM represente uma época terrível da história brasileira, não podemos ignorar os efeitos dos problemas reais e os problemas palpáveis que precisam de soluções à curto prazo. Atendido os problemas imediatos, poderemos discutir e planejar as soluções de longo prazo com todos os estudantes, funcionários e especialistas da área.

Entendemos a revolta dos estudantes diante da opinião de meia dúzia de alunos, pertencentes ao DCE, esse, totalmente desconexo com a realidade dos estudantes que realmente estudam. Queremos uma UFAL segura, aberta e inteligente. Sem apelos partidários/ideológicos e sim pragmática.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized